B-Zen®

Lisboa, Portugal & Online

Top
 

Trabalho e Saúde Mental

5 dicas para se sentir melhor no trabalho
Saúde mental e o trabalho, burnout

Trabalho e Saúde Mental

Existem muitas pessoas que vivem durante décadas com sintomas de ansiedade e depressão. Nestes casos, normalmente, está latente um “sussurro” permanente de pensamentos ansiosos que acaba por se tornar parte do seu dia a dia. A Síndrome de Burnout, outro distúrbio de ansiedade, pode provocar sintomas de depressão, uma diminuição da autoestima, desmotivação e negativismo, entre muitos outros sintomas. Esta sintomatologia dita a forma angustiante como quem sofre desta condição encara o trabalho e lida com a sensação de acordar já exausto e sem vontade de ir trabalhar!

Tudo isto pode parecer uma receita para o desastre em termos de performance profissional. Mas é possível aprender a lidar com estas situações e desenvolver técnicas que ajudam a trabalhar melhor. Veja estas 5 dicas para ter mais saúde mental e equilíbrio no trabalho!

Maior Autoconsciência Corporal e Emocional

Pensamentos ansiosos ou gatilhos de Burnout podem, facilmente, levar à depressão. Por isso, é extremamente importante monitorizar as mudanças repentinas de humor. Quando isto acontece, é importante fazermos uma pausa para perceber o que estamos a sentir, seja um enjoo, uma sensação de pânico, raiva, ou apenas cansaço. Depois de alguns minutos, é importante começar a fazer perguntas mais amplas, tais como “Esta sensação vem do trabalho? Das relações? Será falta de comida, hidratação ou descanso? Se sentirmos um aperto no estômago, ficamos a saber que estamos no caminho certo. É importante aprendermos a parar e a ouvir o nosso corpo. Assim, estas observações das sensações do corpo podem indicar-nos:

  1. Se precisamos de fazer uma pausa e cuidar do nosso bem-estar. Nestes casos, comer um snack saudável, beber uma água ou um chá, tomar um banho ou caminhar podem ser a solução.
  2. Se precisamos de fazer uma pausa para que o cérebro possa aliviar a pressão provocada pela situação e concentrarmo-nos noutras coisas.
  3. Se estamos perante um episódio relacionado com a nossa saúde mental e precisamos de alterar o nosso estilo de vida rapidamente, para que comecemos a sentir alívio e um maior equilíbrio.

As respostas nem sempre são claras. Mas esta autoconsciência, só por si, já é uma ótima forma de acalmar a ansiedade, de modo a conseguirmos voltar a colocar o foco no trabalho.

A Melhor Altura para Trabalhar

Todos temos um relógio interno, que funciona ao seu próprio ritmo. Ele chama-se ritmo circadiano e ajuda a regular o nosso corpo e mente em relação às horas a que acordamos, comemos, dormimos e trabalhamos. Mas a ansiedade e a depressão gostam de nos pregar partidas, criando a vontade de dormir o dia todo ou de saltar refeições, o que desencadeia ainda mais problemas de saúde e dificulta a manutenção de uma boa rotina.

Estes sinais contraditórios podem e devem fazer-nos querer conhecer melhor a nossa natureza interna, o que necessitamos e qual é o horário em que trabalhamos melhor.

Então, como é que podemos perceber qual é o ritmo do nosso relógio interno?

Uma forma de fazê-lo é determinar o nosso cronotipo (predisposição natural para sentir picos de energia ou cansaço, de acordo com a hora do dia). Conhecer o nosso cronotipo ajuda-nos a otimizar os horários, porque nos permite planear o dia de trabalho, de modo a que as atividades mais desafiantes ocorram nos períodos em que estamos com mais energia e melhor humor.

Maior Organização de Agenda

O stresse, só por si, não é mau. Ele é, simplesmente, uma reação ao que acontece ao nosso redor. O problema é que o stresse contínuo pode ter impacto na nossa saúde mental. Por isso, é importante percebermos como estamos a trabalhar. Para isso, podemos, por exemplo, numa folha de excel, colorir os nossos estados emocionais alocados às tarefas que estamos a desempenhar. Se o fizermos por 1 ou 2 meses, ficamos com uma noção de:

  1. Quais são as melhores tarefas para fazer de manhã, à tarde ou à noite.
  2. Qual é o nosso limite pessoal de projetos e/ou telefonemas por dia e por semana.
  3. Quais são as atividades de lazer que nos mantêm felizes e energizados.

Neste ficheiro de excel, podemos identificar de forma clara os “pontos baixos” do nosso dia e perceber porque sofremos de mudanças de humor ao longo desse mesmo dia. Acompanhar estes diferentes aspetos do nosso dia a dia ajuda-nos a obter informações valiosas sobre a forma mais adequada de maximizar a produtividade.

Encarar o Trabalho de Forma Diferente

A saúde mental não é taxativa. Existem dias bons e dias menos bons. Mas, na maioria das vezes, vivemos um cocktail de emoções: energizado ou exausto, feliz ou apático, nervoso ou preguiçoso.
Nesses dias de “montanha-russa”, podemos pensar muitas vezes que, para sermos produtivos, basta seguirmos a nossa lista de tarefas. Porém, quando convivemos com a incerteza, é importante termos cuidado com a rigidez e mantermos alguma flexibilidade, de forma a conseguir prosseguir com um equilíbrio saudável. É importante, para isso, optarmos por um “planeamento intuitivo” em vez de estarmos a tentar perceber o que está errado. Basta fazermos uma pergunta simples: “Estou bem para trabalhar?” Às vezes, basta esta pergunta para simplificar o pensamento. Outras vezes, a melhor opção pode ser iniciar mais tarde uma determinada tarefa e optar por realizar outra mais simples.
Ouvir o nosso corpo e honrar a necessidade de trabalhar ao nosso ritmo vai ajudar-nos a não comprometer a nossa saúde.

Estabelecer Limites

Quando temos um trabalho desafiante, é muito fácil colocarmos o bem-estar em segundo plano. Contudo, se tivermos em consideração a saúde mental, podemos, facilmente, perceber que é fundamental darmos prioridade a nós próprios no nosso trabalho, desafiando-nos a descobrir de que é que necessitamos para poder trabalhar sempre com a melhor performance. Por vezes, acabamos por aprender da forma mais difícil a estabelecer limites e a defendê-los, percebendo que eles são uma das coisas mais importantes que podemos fazer enquanto bons profissionais.

Estes são alguns hábitos que podemos criar e que irão ajudar-nos a trabalhar melhor:

  1. Não responder a e-mails ou atender chamadas fora do horário de trabalho;
  2. Estabelecer prazos razoáveis para o cumprimento de tarefas;
  3. Fazer pausas regulares para movimentar o corpo;
  4. Comer de forma saudável e respeitar os horários das refeições;
  5. Beber água, chá ou sumos naturais durante o dia, para promover a hidratação;
  6. Praticar, pelo menos, 10 minutos de meditação no início do dia;
  7. Difundir óleos essenciais que promovam a concentração.

Um Último Conselho

Todos somos diferentes e, assim, descobrir a forma de manter o equilíbrio mais adequada ao nosso perfil pode levar algum tempo. Pode não ser uma tarefa fácil e existe sempre mais para aprender e melhorar. Cuidar do bem-estar implica persistência e vontade. Mas, fazê-lo, significa que cuidamos de nós. Depois de conseguirmos encontrar esse equilíbrio, podemos tirar partido dos dias bons da melhor forma possível e até mesmo criar um plano para os “menos bons”. Isso fará toda a diferença!

Precisa de ajuda para lidar com o Burnout?

Experimente as nossas consultas de psicologia

*Este texto é baseado num artigo da escritora Leanna Lee -“6 ways my mental health has helped me work better”.

Susana Surjan
CEO & Founder

Professora de Yoga, mestre de Reiki e Terapeuta com a missão de capacitar e inspirar um estilo de vida saudável.

Não há comentários

Escreva um Comentário